Ir para o conteúdo

Prefeitura de Sarutaiá - SP
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Legislação
ARRASTE PARA VER MAIS
LEGISLAÇÃO
Atos relacionados
INTERAÇÃO
Anotação
Marcação
BUSCA
Expressão
Artigo
EXPORTAÇÃO
Código QR
Baixar
Compartilhar
COLABORE
Reportar Erro
QRCode
Acesse na íntegra
LEI ORDINÁRIA Nº 1176, 02 DE DEZEMBRO DE 2014
Assunto(s): Regularização
Em vigor

Autoriza o Município de Sarutaiá a promover a regularização fundiária de assentamentos irregulares e dá outras providências

JOÃO ANTONIO FULONI, Prefeito do Município de Sarutaiá, Estado de São Paulo, usando das suas atribuições que lhe são conferidas por Lei, FAÇO SABER que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei:

Capítulo I

DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Art 1º Fica o Poder Executivo autorizado a promover a regularização fundiária de assentamentos irregulares existentes no Município, implantados até a data de 15 da novembro do 2014, observados os critérios nela fixados, bem como os critérios constantes da legislação estadual e federal aplicáveis à espécie.

Art 2º Para efeito desta Lei ó considerando regularização fundiária o conjunto do medidas jurídicas, urbanísticas, ambientais o sociais que visam à regularização de assentamentos irregulares e a titulação do seus ocupantes, de modo a garantir o direito social á moradia, o pleno desenvolvimento das funções sociais da propriedade urbana e o direito ao melo ambiento ecologicamente equilibrado,

Art 3º Para efeito desta Lei serão adotadas as definições e conceitos do Art. 47 da Lei federal n° 11.977, do 07 do julho do 2.009.

Art 4º Constituem objetivos gerais da regularização fundiária, para efeitos desta lei:
I - a utilização da propriedade com observância da sua função social;
II - a adequação da propriedade à sua função social;
III - o controle efetivo da utilização do solo urbano;
IV - a preservação do meio ambiente natural e construído;
V- a implantação da infraestrutura básica, serviços, equipamentos comunitários e habilitação, respeitando a acessibilidade e as condições sócio-economicas de seus moradores;
VI- as ações integradas voltadas a inibir a especulação imobiliária, evitando o processo de expulsão dos habitantes;
VII- garantir a segurança jurídica na posse dos ocupantes de assentamentos irregulares;
VIII- reduzir, mediante medidas de mitigação e compensatórias, os danos causados à urbanização e ao meio ambiente pela realização de empreendimentos irregulares;
IX- assegurar aos ocupantes de áreas urbanizadas edificadas condições de permanência e defesa contra processos abusivos de desocupação, assegurada a adoção de medidas de mitigação ou compensação;
X - resgatar, ainda que parcialmente, reservas de espaços destinados a sistemas de lazer, usos institucionais, e habilitação de logradouros, que tenham sido objeto de ocupação por assentamento, de privatização abusiva, ou de uso distinto daquele previsto na destinação original;
XI — minimizar efeitos danosos à paisagem urbana provocados por processos de urbanização e edificações irregulares.

Art 5º Na regularização fundiária no Município serão observados os seguintes princípios:
I- ampliação do acesso à terra urbanizada pela população de baixa renda, com prioridade para sua permanência na área ocupada, assegurados o nível adequado de habitabilidade e a melhoria das condições de sustentabilidade urbanística, social e ambiental;
II - articulação com as políticas setoriais de habitação, de meio ambiente, de saneamento básico e de mobilidade urbana, nos diferentes níveis de governo e com as iniciativas públicas e privadas, voltadas à integração social;
III - participação dos interessados nas etapas do processo de regularização;
IV - estímulo à resolução extrajudicial de conflitos;

Capítulo II

DA PROMOÇÃO E DAS RESPONSABILIDADES NA REGULARIZAÇÃO

Art 6ºNa regularização de parcelamento implantado irregularmente caberá ao empreendedor a responsabilidade pela execução das intervenções previstas no Plano de Regularização, devendo, nessa execução, ser observado o conjunto de exigências administrativas, jurídicas e urbanísticas constantes dos termos de autorização do processo regulatório

Art 7ºA regularização fundiária no Município de Sarutaiá, poderá ser promovida pelo Executivo, ou, também, por:
I - seus beneficiários, individual ou coletivamente; e
II- cooperativas habitacionais, associações de moradores, fundações, organizações sociais, organizações da sociedade civil de interesse público, ou outras associações civis que tenham por finalidade atividades nas áreas de desenvolvimento urbano ou regularização fundiária.
Parágrafo único Os legitimados previstos no caput poderão promover todos os atos necessários à regularização fundiária, inclusive os atos de registro.

Art 8º O Plano de Regularização definirá as responsabilidades relativas à implantação:
I - do sistema viário;
II - da infra-estrutura básica;
III - dos equipamentos comunitários definidos no projeto de regularização fundiária;
IV - das medidas de mitigação e de compensação urbanística e ambiental eventualmente exigidas, ouvida a autoridade competente na forma da lei.
§ 1º Admitir-se-á o compartilhamento das responsabilidades previstas no caput com os beneficiários da regularização fundiária, com base na análise de, pelo menos, 2 (dois) aspectos:
a) os investimentos em infra-estrutura e equipamentos comunitários já realizados pelos moradores; e
b)o poder aquisitivo da população a ser beneficiada.
§ 2° Para garantia do cumprimento do disposto no § 1o poderá ser firmado Termo de Compromisso entre a Prefeitura e o interessado.

Capítulo III
DA BASE TÉCNICA

Seção I

Do Plano de Regularização

Art 9º Qualquer regularização será obrigatoriamente efetuada com obediência a Plano de Regularização, a ser elaborado por qualquer um dos entes mencionados no ART. 7º-, obedecidas as diretrizes da comissão instituída pela Prefeitura Municipal, nos termos do Art. 14.
Parágrafo único- As Diretrizes serão emitidas pela Prefeitura com base na documentação a ser apresentada pelo interessado, devendo minimamente ser exibida uma peça gráfica e título da área, se houver;

Art 10 O Plano de Regularização deverá abordar aspectos referentes à mobilidade e acessibilidade urbana, infraestrutura, fundiários, socioeconômicos, ambientais, urbanísticos, além da estimativa de custos da regularização quando o loteador não responder à notificação do Art 26 desta Lei.

Art 11 O Plano de Regularização poderá estabelecer, para sua área de abrangência, índices urbanísticos específicos, valores máximos e mínimos referentes à área o frente de lotes, dimensões e perfis de vias eventualmente distintos dos constantes dos critérios técnicos e restrições incidentes sobre a Zona em que aquela área se situe e dispostos nas normas do ordenamento do uso e ocupação do solo do Município.

Art 12 OPlano de Regularização de cada parcelamento, mediante as diretrizes estabelecerá os percentuais de áreas públicas a serem destinadas, incluindo aquelas referentes ao sistema viário, à implantação de equipamentos urbanos e comunitários e áreas verdes, devendo, sempre que possível, respeitar os percentuais estabelecidos na legislação de ordenamento do uso e ocupação do solo.
§ 1º Caso existam no parcelamento lotes não edificados de propriedade do loteador, deverão ser estes destinados ao uso público até atingir os percentuais mais próximos possíveis daqueles previstos na legislação de ordenamento do uso e ocupação do solo, respeitadas as exigências da legislação vigente á época da implantação do assentamento a ser regularizado.
§ 2º Admitir-se-á a compensação das áreas públicas, podendo a mesma incidir sobre imóveis fora do perímetro da área do parcelamento a ser regularizada, ou ser feita em dinheiro, nos termos da lei, devendo o produto, nesse caso, ser revertido para o uso na qualificação urbanística e ambiental do município em áreas objeto de regularização fundiária.
§ 3º A destinação na área de que trata o §1º e a compensação de que trata o § 2º poderão ser dispensadas, por ato fundamentado da autoridade municipal competente.

Art 13Do Plano de Regularização deverá constar a relação de obras necessárias à regularização, os respectivos responsáveis pela execução, acompanhados de estimativa de cronograma físico-financeiro da implantação.
Parágrafo único A necessidade de complementação da infraestrutura básica não obstará a regularização da situação jurídica do parcelamento, podendo a regularização fundiária ser implementada por etapas, na forma do Art. 47, IX e Art. 51, § 3º, da Lei Federal nº 11.977/09

Art 14O plano de Regularização, elaborado de acordo com o disposto nos ARTS. 9º a 13 desta Seção, deverá ser apreciado e aprovado por comissão expressamente instituída por Decreto Municipal, configurando- se como órgão de caráter deliberativo, normativo, consultivo e orientador quanto á regularização fundiária de assentamentos irregulares, integrado, no mínimo, por:
I- 1 (um) técnico em materiais urbanística;
II- 1 (um) técnico em assuntos de interesse social;
III- 1 (um) técnico na área jurídica;
IV- 1 (um) técnico na área ambiental.
§1º A comissão a que se refere o caput deste ART. será denominada Comissão de Análise de Planos e Projetos de Regularização Fundiária e atuará denominada Comissão de Análise de Planos e Projetos de Regularização Fundiária e atuará sob a coordenação do Departamento de Engenharia e Urbanismo;
§2º Os integrantes da referida Comissão serão designados através de Portaria do Chefe do Executivo municipal.
§3º Fica assegurada a participação nos trabalhos de apreciação e aprovação de Plano de regularização específico por parte da Comissão instituída nos termos do caput deste Art. de representantes da comunidade assentada na área objeto deste Plano.

Seção II

Do Projeto de Regularização

Art 15 O Projeto de Regularização Fundiária deverá definir, no mínimo, os seguintes elementos:
I- as áreas ou lotes a serem regularizados e, se houver necessidade, as edificações que serão relocadas;
II- as vias de circulação existente ou projetadas e, se possível, as outras áreas destinadas a uso público;
III -as medidas necessária para a promoção da sustentabilidade urbanística, social e ambiental da área ocupada, incluindo as compensações urbanísticas e ambientais previstas em lei:
IV as condições para promover a segurança da população em situações de risco, considerando o disposto no parágrafo único do Art. 3.º da Lei nº 6.766/79;
V- as medidas previstas para adequação da infra-estrutura básica.
§1º O Projeto de Regularização Fundiária deverá ser previamente objeto de apreciações e aprovação pela Comissão instituída nos termos do Art. 14 desta Lei.
§2º- Compete ao Departamento de Engenharia e Urbanismo, a emissão do Auto de Regularização e aprovação do Projeto de Regularização.

Capítulo IV

DAS FORMAS

Art 16A regularização fundiária poderá dar-se sob duas formas:
I - Regularização Fundiária de Interesse Social;
Il— Regularização Fundiária de Interesse Específico.

Art 17 Considera-se de Interesse Social a regularização de assentamentos irregulares, ocupados, predominantemente, por população de baixa renda, nos casos:
a) em que a área esteja ocupada, de forma mansa e pacífica, há pelo menos 5 (cinco) anos;
b) de área declarada como Zona Especial de Interesse Social - ZEIS;
c) de área declarada de interesse para implantação de projetos de regularização desta modalidade pela União, pelo Estado, ou pelo Município.

Art 18Considera-se de Interesse Específico a regularização de assentamentos irregulares, quando não caracterizado o Interesse Social, nos termos do Art. 17.

Capítulo V

DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE INTERESSE SOCIAL

Art 19O Município poderá, por decisão motivada, admitir a Regularização Fundiária de Interesse Social em Áreas de Preservação Permanente- APP ocupadas até 31 de dezembro de 2007 e inseridas em área urbana consolida, conforme definição do Art. 47, Inciso II, da Lei Federal nº 11.977/09,desde que estudo técnico comprove que esta intervenção implica situação de ocupação irregular anterior.
§1º- A regularização fundiária de interesse social depende da análise e aprovação pelo município do projeto de que trata o Art. 15.
§ 2º A aprovação municipal prevista no caput corresponde ao licenciamento urbanístico do projeto de regularização fundiária de interesse social, bem como ao licenciamento ambiental, desde que o município possua conselho do meio ambiente e órgão ambiental capacitado.
§3º- O estudo técnico referido no caput deste Art.deverá ser elaborado por profissional legalmente habilitado, compatibilizar-se com o processo de regularização fundiária e conter, no mínimo, os seguintes elementos:
a)caracterização da situação ambiental da área a ser regularizada;
b) especificação dos sistemas de saneamento básico;
c) proposição de intervenções para o controle de riscos geotécnicos e de inundações;
d)recuperação de áreas degradadas e daquelas não passíveis de regularização;
e) comprovação da melhoria das condições de sustentabilidade urbano-ambiental, considerados o uso adequado dos recursos hídricos e a não ocupação das áreas de risco e a proteção das unidades de conservação, quando for o caso;
f) comprovação da melhoria da habitabilidade para os moradores, propiciada pela regularização proposta; e
g)garantia de acesso público às praias e aos corpos d’água, quando for o caso.

Art 20 Na Regularização Fundiária de Interesse Social caberá ao Município, diretamente, ou por meio de seus concessionários ou permissionários de serviços públicos, a implantação do sistema viário e da infra-estrutura básica, previstos no § 6º do Art 2° da Lei n° 6.766, de 19 de dezembro de 1979, ainda que promovida pelos legitimados previstos nos Incisos I e II do Art. 7° da presente Lei, salvo no caso do loteador ou proprietário da área, que deverá firmar Termo de Compromisso para consolidação das responsabilidades.
Parágrafo único- A implantação pelo Poder Público, de infra-estrutura básica, de equipamentos comunitários, ou sua manutenção, pode ser realizada mesmo antes de concluída a regularização jurídica das situações dominiais dos imóveis.

Art 21 O Município de Sarutaiá, no âmbito da Regularização Fundiária de Interesse Social, poderá lavrar auto de demarcação urbanística, conforme os Art. 56 e seguintes da Lei Federal 11.977/09 com base no levantamento da situação da área a ser regularizada e na caracterização da ocupação.

Art 22A partir da averbação do auto de demarcação urbanística, o Município deverá elaborar o projeto previsto no Art. 15 e submeter o parcelamento dele decorrente a registro.

Art 23 Após o registro do parcelamento de que trata o Art. anterior, o Município concederá título de legitimação de posse aos ocupantes cadastrados, de acordo com as normas contidas nos ARTS.58 A 60 da Lei federal 11.977/09.

Capítulo VI

DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE INTERESSE ESPECÍFICO

Art 24A regularização fundiária de interesse especifico depende da análise e aprovação do projeto de que traia o Art. 15 pela Comissão de Análise de Planos e Projetos de Regularização Fundiária instituída nos termos do Art. 14,bem como da emissão das respectivas licenças urbanística e ambiental.
§1º projeto de que trata o caput deverá observar as restrições à ocupação de Áreas de Preservação Permanente — APP e demais disposições previstas na legislação ambiental.
§ 2° A Comissão poderá exigir contrapartidas e compensações urbanísticas e ambientais, na forma da legislação vigente, sem prejuízo de outras exigências de outros órgãos estaduais.

Art 25 AComissão deverá definir, nas licenças urbanística e ambiental da regularização fundiária de interesse específico, as responsabilidades relativas à implantação:
I - do sistema viário;
II - da infra-estrutura básica;
III - dos equipamentos comunitários definidos no projeto de regularização fundiária; e
IV - das medidas de mitigação e de compensação urbanística e ambiental eventualmente exigidas.
§ 1º- A critério da Comissão, as responsabilidades previstas no caput poderão ser compartilhadas com os beneficiários da regularização fundiária de interesse específico, com base na análise, pelo menos, dos seguintes aspectos:
I- investimentos em infraestrutura e equipamentos comunitário já realizados pelos moradores;
II- poder aquisitivo da população a ser beneficiada.
§ 2º-As medidas de mitigação e de compensação urbanística e ambiental exigidas na forma do Inciso IV do caput deverão integrar termo de compromisso, firmado perante as autoridades responsáveis pela emissão das licenças urbanística e ambiental, ao qual se garantirá força de título executivo extrajudicial.

Capítulo VII

DOS PROCEDIMENTOS

Art 26 Identificado o responsável pelo parcelamento irregular, o Poder Executivo Municipal deverá notificá-lo para que proceda a sua regularização, nos termos do Art. 38, § 2º, da Lei Federal nº6.766/79, estabelecendo prazo máximo de 15 (quinze) dias para comparecimento à Prefeitura munindo dos seguintes documentos:
I - comprovação da posse ou da propriedade da gleba na qual se deu o parcelamento;
II- desenhos, plantas e outras peças gráficas referentes ao parcelamento, inclusive fotos aéreas, se for o caso;
III - outros documentos que digam respeito ao parcelamento.
§ 1º- Sendo desconhecido ou não sendo encontrado o empreendedor, a notificação se dará por edital, na forma da lei.
§ 2º Não atendida a notificação, poderá o Município promover a regularização do núcleo ex officio, conforme disposto no Art 40 da Lei federal n° 6.766/79.

Art 27 Sendo o empreendedor conhecido, o Município poderá pedir judicialmente o bloqueio de tantos de seus bens quantos forem necessários para execução de todos os procedimentos relativos à regularização, inclusive aqueles referentes a buscas cartorárias, obras de infra-estrutura, retificações de títulos, e demais providências eventualmente cabíveis.
§ 1º A Prefeitura deverá informar os adquirentes de lotes sobre a possibilidade de depósito das prestações, nos moldes do § 1o do Art 38 da Lei Federal n 6.766/79.
§ 2°
As medidas atinentes à responsabilização do empreendedor não constituem óbice à regularização.

Art 28 Para cada assentamento a ser regularizado, será iniciado, em apartado, o respectivo Processo Administrativo de Regularização, pela unidade competente da Prefeitura.

Capítulo VIII

DISPOSIÇÕES FINAIS

Art 29 Conforme o Art 71 da Lei Federal nº 11.977/09, as glebas parceladas para fins urbanos anteriormente a 19 de dezembro de 1979 que não possuírem registro poderão ter sua situação jurídica regularizada, com o registro do parcelamento, desde que o parcelamento esteja implantado e integrado à cidade.
§1º A regularização prevista no caput pode envolver a totalidade ou parcelas da gleba.
§2º O interessado deverá apresentar certificação de que a gleba preenche as condições previstas no caput, bem como desenhos e documentos com as informações necessárias para a efetivação do registro do parcelamento.

Art 30 Conforme o Parágrafo único, do Art 22, da Lei Federal n° 6.766/79, na hipótese de parcelamento do solo implantado e não registrado, a Prefeitura poderá requerer, por meio da apresentação de planta de parcelamento elaborada pelo empreendedor, ou aprovada pela Prefeitura, e de declaração de que o parcelamento se encontra implantado, o registro das áreas destinadas a uso público, que passarão dessa forma a integrar o seu domínio.

Art 31A Prefeitura, proprietária ou imitida na posse a partir de decisão proferida em processo judicial de desapropriação em curso, poderá requerer a abertura de matrícula de parte do imóvel, previamente matriculado ou não, com base em planta e memorial descritivo, podendo a apuração de remanescente ocorrer em momento posterior, conforme disposto na Lei Federal n° 6.015/73.

Art 32 Tratando a regularização fundiária de imóvel de propriedade do Município, a titulação dos moradores poderá ser realizada na forma da Medida Provisóna n° 2.220/01, que trata da Concessão de Uso Especial para Fins de Moradia - CUEM, preenchidos os requisitos nela estabelecidos, bem como, pelo instituto da Concessão de Direito Real de Uso - CDRU. conforme o Decreto-Lei n» 271/67, combinado com o Estatuto da Cidade, o Código Civil, a Lei Orgânica Municipal, dentre outras leis municipais.

§ 1º A Prefeitura poderá extinguir, por ato unilateral, com o objetivo de viabilizar obras de urbanização em assentamentos irregulares de baixa renda e em beneficio da população moradora, contratos de concessão de uso especial para fins de moradia e de concessão de direito real de uso firmados anteriormente à interveção na área.
§ 2º Somente poderão ser extintos os contatos relativos a imóveis situados em áreas efetivamente necessárias à implantação das obras de que trata o §1º, o que deverá ser justificado em procedimento administrativos próprio.
§ 3º O beneficiário de contrato extinto na forma do §1º deverá ter garantido seu direito à moradia, preferencialmente na área objeto de intervenção, por meio de contrato que lhe assegure direitos reais sobre outras unidade habitacional.
§ 4º Caso o imóvel sobre o qual o assentamento esteja implantado pertença a União ou ao Estado, ou às respectivas entidades da administração pública indireta, a titulação dos moradores observará a legislação patrimonial respectiva.

Art 33Ficam revogadas as disposições em contrário ao disposto nesta Lei

Art 34 Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.

Sarutaiá, 02 de dezembro de 2.014.

______________________________________
JOÃO ANTONIO FULONI
Prefeito Municipal

Publicada e registrada no Departamento da Secretaria Municipal em igual data.

_____________________________________
Mara Soares Goulart Alher
SECRETÁRIA

* Nota: O conteúdo disponibilizado é meramente informativo não substituindo o original publicado em Diário Oficial.
Atos relacionados por assunto
c
Ato Ementa Data
DECRETO Nº 26, 30 DE MARÇO DE 2022 “Dispõe sobre a regularização de férias dos servidores públicos municipais, e dá outras providencias”. 30/03/2022
LEI ORDINÁRIA Nº 1288, 28 DE JUNHO DE 2019  “Dispõe sobre a regularização fundiária dos parcelamentos do solo dos núcleos urbanos ou rurais com características urbanas, informais consolidados localizados no município de Sarutaiá, e dá outras providências”. 28/06/2019
LEI ORDINÁRIA Nº 1169, 16 DE SETEMBRO DE 2014  "DISPÕE SOBRE A REGULARIZAÇÃO DE EDIFICAÇÕES CONSTRUÍDAS EM DESACORDO COM A LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA E CONCLUÍDAS ATÉ A DATA DA PUBLICAÇÃO DESSA LEI, NO MUNICÍPIO DE SARUTAIÁ." 16/09/2014
Minha Anotação
×
LEI ORDINÁRIA Nº 1176, 02 DE DEZEMBRO DE 2014
Código QR
LEI ORDINÁRIA Nº 1176, 02 DE DEZEMBRO DE 2014
Reportar erro
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Seta
Versão do Sistema: 3.2.5 - 03/08/2022
Copyright Instar - 2006-2022. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia